Pesquisar neste blogue

segunda-feira, maio 04, 2015

Norte.

não há nada a dizer quando o teu ser anónimo se assoma à janela para espreitar.

nada há a ver a não ser paredes que um dia tiveram um sítio para onde ir e sorrisos para lhes pendurar, com nomes e desenhos de cidades longínquas.

olhei imensas vezes para as palavras que pintaste na minha pele, para a fotografia que tiraste

comigo ainda a dormir

como que a tentares aprisionar o meu peito inquieto e fugídio num rolo de filme a preto e branco.

mas o fugitivo apenas aprendeu uma coisa durante a sua existência: partir.

ele chega a casa apenas para saber quando sair novamente, apenas para relembrar os lençóis que deixou ainda quentes, as mensagens ainda por ler e o teu rosto demasiado desvanecido para recordar.

é por isso que sei o nome de todas as ruas que te circundam, de todas as cidades por onde viajaste e os rostos por onde te perdeste:

porque onde estás é o único norte que me surge antes de adormecer.

Sem comentários: